Pai de Lui e Bernardo, padrasto de Maria, presente que veio com a mulher, Jô. Essa é a família de Johnny / Joãozinho, carioca da safra de 77, sagitariano, flamenguista, asmático, caseiro.

Baterista.

Dinâmico.

Leila Pinheiro, em vertente refinadíssima da MPB, e Jay Vaquer, dos mais completos artistas jovens do país, o admiram por essa qualidade. Quem quiser, pode conferir nos shows que João Viana vem fazendo com eles. E também podemos perguntar a Nando Reis, Isabella Taviani, Vanessa da Mata, Ana Carolina, e, quando formos para o andar de cima, Cássia Eller.

Dinamismo, desde sempre: João Viana foi se iniciando sorrateiramente na bateria de Dico, músico da banda Mitra, de seu irmão Max, até estar pronto para sua própria banda, a primeira, Medusa's Dreads – de reggae –, experimentando em seguida o puro rock d'A Bruxa.

O importante era por logo em prática o que aprendia com Carlos Balla ali, na primeira bateria, uma Remo ganha aos doze anos de Djavan – orgulhoso por um lado, temeroso por outro. Não podia prever que, em instrumento tão difícil e com destaque tão reduzido aqui no Brasil, seu filho não apenas seria disputado, como iria até mesmo trazer um novo conceito de acompanhamento de artistas, o que pode ser apreciado no cd e na turnê Matizes.

Ali, João Viana procurou, procurou e encontrou novos sons para compor com mais acuidade as viagens musicais do pai. Ali, aprendemos que a bateria pode não apenas complementar, mas também elevar a qualidade de um trabalho como um todo, contribuindo tanto para a coesão entre as partes, quanto para facilitar a "leitura" da mensagem.

Como ele fez isso? Aliando uma técnica cada vez mais apurada a um sólido estudo de sonoridades dos diferentes instrumentos que compõem a bateria.  

João Viana, no entanto, também sabe o que dizer diante de um Fábio Jr ou de uma Claudette Soares. Claro que o ouviremos muito à vontade junto do irmão, Max Viana, ou da irmã, esta que vos fala, mas isso não o torna menos afeito a trabalhos com Zé Ricardo, Seu Jorge, Torcuato Mariano. Sejam os pré-requisitos suingue, precisão, pegada, discrição, generosidade, tem João Viana para todos.

O fato é que é reconfortante para nós, músicos, e surpreendente para nós, público, perceber que há gente nova tocando de um jeito novo, gente que põe bem mais que seu talento à disposição da Música – sua garra, seu caráter.

João, somos seus fãs, somos seus fiéis.


Flavia Virginia  

Criação: AldeiaCom